Opinião (Rogério Copeto/ Oficial da GNR): “GNR, A ‘MÃE’ DE TODA A SEGURANÇA”.


O título do texto desta semana foi “roubado” ao artigo “Nem a Polícia Marítima fica fora da operação de segurança em Fátima”, publicado na edição do dia 5 de maio, do Público, porque é revelador do importante papel da GNR, na operacionalização da enorme operação de segurança, que envolve a visita de sua Santidade o Papa Francisco ao Santuário de Fátima nos dias 12 e 13 de maio.

Rogério Copeto

Tenente-Coronel da GNR

Mestre em Direito e Segurança e Auditor de Segurança Interna

Chefe da Divisão de Ensino/ Comando de Doutrina e Formação

No referido artigo consta que “…foi montada uma das maiores operações de sempre realizadas em Portugal”, corroborando o já aqui referido no artigo de 26 de abril com o título “Segurança ou livre circulação”, onde afirmámos que a operação de segurança planeada por motivo da visita de sua Santidade o Papa Francisco ao Santuário de Fátima, constitui, provavelmente, o maior empenhamento de militares da GNR desde a sua criação em 1911.

A grande dimensão desta operação já foi entretanto assumida pela própria GNR, cujo porta-voz em declarações transcritas pelo Observador no artigo “GNR diz que visita do Papa obriga a ‘operação de larga escala’, mas números estão sob reserva”, refere “que a peregrinação do papa a Fátima, nos dias 12 e 13 de maio, obriga a ‘uma operação de larga escala’, mas a informação sobre o dispositivo ‘anda é reservada’”, tendo a CMTV acrescentado que a “GNR prepara mega-operação em Fátima”.

Esta “mega-operação” de segurança obriga não só a um empenhamento de militares da GNR no Santuário de Fátima e na sua envolvente, incluindo todos os acessos, no âmbito da “Operação Centenário”, que se iniciou no dia 5 e que terminará no dia 14 de maio, mas também um empenhamento na “Operação Peregrinação Segura”, que a GNR realiza todos os anos entre os dias 1 e 12 de maio, em apoio aos milhares de peregrinos, que todos os anos se deslocam em direcção a Fátima e que este ano verifica um significativo aumento do número de peregrinos, por motivos óbvios, e ainda um empenhamento na vigilância da fronteira terrestre, cuja operação se inicia hoje e terminará no dia 14 de maio, com a missão de controlar a entrada de pessoas, nos nove locais, entretanto já definidos como únicos possíveis para entrar em território nacional, entre os dias 10 e 14 de maio, por motivo da decisão do governo português em repor o controlo de pessoas na fronteira terrestre, nomeadamente em Valença, Vila Verde da Raia, Quintanilha, Vilar Formoso, Termas de Monfortinho, Marvão, Caia, Vila Verde de Ficalho e Vila Real de Santo António, para além do empenhamento necessário para garantir que ninguém atravessa em nenhum dos outros acessos secundários que ligam Portugal a Espanha, entre Caminha e Vila Real de Santo António, numa extensão de 1.200 km, 24 horas por dia, durante 5 dias.

São assim três grandes operações cuja responsabilidade da sua operacionalização cabe à GNR, obrigando a um elevado empenhamento de todas as suas valências, bem como articular-se com as restantes forças e serviços de segurança, e com os três ramos das forças armadas, tendo a Secretária Geral do Sistema de Segurança Interna, Procuradora Geral Adjunta Drª Helena Fazenda revelado no programa da RTP, “Prós e Contras”, da última 2ª-feira, “que a GNR é a força de segurança territorialmente competente ‘aglutinadora’ de tudo o resto o que implica a acção”.

É verdade que a GNR assume a responsabilidade de operacionalizar esta enorme operação de segurança, por motivo da sua competência territorial, quer no Santuário de Fátima, quer nas estradas, quer na fronteira terrestre, mas serão os elevados conhecimentos em executar este tipo de missões, que facilitarão a realização da tarefa de garantir segurança a todas as pessoas e bens, que se encontram neste grande teatro de operações, onde a segurança ao Santuário de Fátima constitui a área mais sensível, sendo por isso importante relembrar todo o trabalho que a GNR tem desenvolvido em Fátima e que abordámos no nosso artigo de 13 de maio de 2016, com o título “A GNR e Fátima”.

São assim 10 anos de ensinamentos e lições aprendidas desde que a GNR assumiu a responsabilidade do policiamento da cidade de Fátima, em 16 abril de 2007, substituindo a PSP nessas funções, cuja transição decorreu com tranquilidade, mas com a necessária celeridade, por motivo da primeira grande prova de fogo, que o efetivo do Posto Territorial de Fátima teve de enfrentar, em 12 e 13 de maio de 2007, no âmbito das comemorações do 90º aniversário das Aparições Marianas, tendo o efetivo sido reforçado com os meios humanos e materiais considerados necessários e suficientes, garantindo a segurança de cerca de meio milhão de peregrinos que visitaram o Santuário de Fátima nesse evento.

Como é sabido, três anos depois, realizou-se a última grande operação de segurança no Santuário de Fátima, por motivo da visita de Sua Santidade o Papa Bento XVI, em 12, 13 e 14 de maio de 2010, denominada “Operação Fénix 2010”, que levou ao empenhamento de 850 militares da GNR de todas as suas valências, desde o trânsito, passando pela Protecção da Natureza e do Ambiente, e Investigação Criminal, sem esquecer os binómios cinotécnicos e as patrulhas apeadas, motorizadas, a cavalo e de bicicleta, que colocados em locais estratégicos, garantiram a segurança de centenas de milhares de pessoas, nas imediações e no interior do Santuário de Fátima, resultando a operação num enorme sucesso e merecido por parte dos responsáveis máximos do Santuário de Fátima os maiores elogios dirigidos à GNR, pela forma como decorreu a visita de Sua Santidade o Papa Bento XVI.

Durante estes 10 anos, desde que a GNR assumiu a responsabilidade do policiamento da Cidade de Fátima, vários foram os projetos que foram criados na vertente da segurança física dos peregrinos que visitam o Santuário todo o ano, sendo o “Projeto Santuário de Fátima Seguro”, lançado em 2007 em parceria com o Santuário de Fátima, aquele que mais resultados tem apresentado, registando-se desde então uma substancial redução das ocorrências criminais, especialmente nos crimes contra o património.

Para além da criação do “Projeto Santuário de Fátima Seguro” também o novo “Sistema de Mobilidade de Fátima”, inaugurado no ano passado, tem permitido uma correta gestão do fluxo de pessoas e viaturas, cujo sistema é suportado por paneis de informação dinâmicos, onde é transmitida informação em tempo real, sobre a capacidade dos diversos parques de estacionamento, direccionando dessa forma o fluxo de trânsito, para os parques ainda com disponibilidade de estacionamento, sendo todo o sistema monitorizado pelos militares da GNR no Posto de Comando, criado em 2007 e localizado nas instalações do Posto Territorial de Fátima, que agora sofreu uma renovação, cuja inauguração ocorreu no dia 26 de abril, para se adaptar às atuais necessidades operacionais.

Este novo Posto de Comando permite o controlo de todas as valências da GNR, através da georreferenciação das patrulhas, o controlo do sistema de videovigilância, que monitoriza as atuais 21 câmaras de videovigilância instaladas no Santuário, e que foram implementadas em 2008, constituindo na altura como o primeiro sistema de videovigilância instalado num espaço público, em território nacional, o acesso a todos os sistemas gestão de informação da GNR, o registo de todas ocorrências em tempo real, a gestão das redes de rádio,das noticiais veiculadas pelos órgãos de comunicação social, e é guarnecido por militares da GNR 24 horas por dia.

O Posto de Comando dispõe ainda de uma sala que se constitui como uma área de trabalho, onde a operação será acompanhada, não só pelo comando da operação da GNR, bem como por representantes do Ministério Público, da Autoridade Nacional de Protecção Civil, da BRISA, do INEM, da Força Aérea, do Exercito, da Marinha, do Gabinete Coordenador de Segurança, do SEF, do SIS, da PSP e da PJ, só para referir algumas dessas instituições, que sob o Comando da GNR irão garantir a resolução de todos os problemas, seja no âmbito da segurança, seja do socorro.

Pelo atrás referido parece-nos que a GNR se encontra preparada para receber a visita de Sua Santidade o Papa Francisco nos dias 12 e 13 de maio, e por isso estamos convencidos que a missão atribuída à “mãe de toda a segurança” irá ser cumprida de acordo com os níveis de excelência a que a GNR nos tem habituado.


Share This Post On
468x60.jpg