Ten.Cor. Rogério Copeto: GNR, A FACE DO ESTADO PRÓXIMA E VISÍVEL
Mar16

Ten.Cor. Rogério Copeto: GNR, A FACE DO ESTADO PRÓXIMA E VISÍVEL

Rogério Copeto Tenente-Coronel da GNR Mestre em Direito e Segurança e Auditor de Segurança Interna Oficial de Comunicação e Relações Públicas da GNR de Évora Num artigo de opinião publicado no jornal “Expresso” com o título “Chamem a polícia“[1], o deputado do PSD Duarte Marques homenageia as Forças de Segurança nacionais referindo-se especialmente à GNR, como tendo dado “…um contributo decisivo para a consolidação da democracia em Timor e para a imagem de Portugal nesta ex-colónia e estiveram no Iraque … têm equipas especiais de combate aos incêndios … e apoiam a comunidade educativa com os programas Escola Segura e Apoio 65 para os idosos”. Terminando referindo “Eles são a face visível, e tantas vezes única, do Estado na plenitude do território Nacional.” Terá sido esta afirmação, várias vezes repetida e unanimemente aceite por todos, de que a GNR está em todo o lado, que me levou a escrever este artigo, para confirmar que a afirmação é de todo verdade. A afirmação não é só verdade porque a GNR tem à sua responsabilidade 94% do território nacional, (encontrando-se a GNR representada nos estantes 6%, por militares e quarteis), mas também porque o serviço da GNR é garantido 24 horas por dia, 365 dias por ano, faça chuva ou faça sol, por militares, homens e mulheres, que desempenham com eficácia a sua missão, nos dias, horas e condições em que o vulgar cidadão se recolhe no aconchego familiar, particularmente nos locais, mais recônditos do país, onde não existe qualquer outro representante do Estado. A GNR está por isso visível e próxima das populações, especialmente da que está mais vulnerável, garantindo a sua segurança 24 horas por dia e em todo o território nacional. Exemplo dessa visibilidade e proximidade é o trabalho desenvolvido no âmbito do Policiamento de Proximidade, que permite à GNR trabalhar em conjunto com toda a sociedade civil, no intuito de através do mútuo apoio dar uma satisfação à resolução dos problemas da sociedade, essencialmente através de parcerias, com o objetivo de resolver os problemas sentidos pelas populações. A GNR no âmbito do Policiamento de Proximidade dedica em exclusivo meios e efetivos na concretização dos vários programas especiais, onde os Programas Escola Segura e Idosos em Segurança têm maior visibilidade, com a implementação no terreno de reconhecidas boas práticas. Uma dessas boas práticas, que a GNR denominou “Operação Censos Sénior”, nasceu da necessidade de combater o isolamento e a solidão da população idosa, procedendo a GNR desde 2011 ao levantamento dos locais isolados habitados por idosos, sinalizando as situações de maior perigo e realizando ações de sensibilização e informação sobre os procedimentos de segurança a observar em situações...

Ler Mais