Odemira: Indivíduo adquiria droga com potente mota, onde viajava como pendura.


O homem “deu nas vistas” quando adquiriu uma potente mota Honda CBR 900 e não possuía carta de condução. Em duas das vezes em que foi detido seguia na mota como pendura, que era conduzida por amigos.

Tem início hoje no Juízo Criminal de Beja, o julgamento de um casal, ele de 36 anos e ela de 47 anos, residente em São Teotónio, concelho de Odemira, acusados do crime de tráfico de estupefacientes, sendo julgados por um Tribunal Coletivo. O homem responde ainda pelos crimes de detenção de arma proibida e condução de veículo a motor sem habilitação legal.

Além da proibição de contatos entre ambos, Manuel P., está em prisão preventiva desde 3 de junho de 2019, no Estabelecimento Prisional de Beja, e Carla V., sujeita a apresentações periódicas no posto da GNR de São Teotónio.

De acordo com o despacho de acusação a que o Lidador Notícias(LN) teve acesso o individuo foi detido três vezes pela GNR em cumprimento de outros tantos mandados de detenção, todos pelo tráfico de estupefacientes. O homem “deu nas vistas” quando adquiriu uma potente mota Honda CBR 900 e não possuía carta de condução. Em duas das vezes em que foi detido seguia na mota como pendura, que era conduzida por amigos.

A primeira detenção correu bem outubro de 2018, junto à Herdade da Casa Branca, onde se realiza o Festival Sudoeste, tendo-lhe sido confiscada uma bolsa onde tinha 21,756 gramas de cocaína e 0,78 gramas de heroína e ainda 410 euros em numerário.

Na última detenção, que lhe valeu a prisão preventiva, Manuel trazia escondida numa meia que calçava no pé esquerdo, quase 25 gramas de heroína e 60 euros em numerário.

Numa busca domiciliária feita à residência do suspeito, foram encontrados telemóveis, tablets, consolas e colunas, que a investigação acredita terem sido entregues por consumidores como forma de pagamento dos estupefacientes. Foram-lhe ainda apreendidas 7 munições de calibre 6,35 mm.

Além de se dedicar à venda aos consumidores, Carla é apontada pela acusação, como cúmplice do companheiro no tráfico de estupefacientes, sendo descrita como a incentivadora da aquisição de droga para “ganharem dinheiro”.

O processo já vai ser julgado na sala principal do Tribunal de Beja e tem mais de duas dezenas de testemunhas, na esmagadora maioria consumidores que adquiriam a droga ao casal.

Teixeira Correia

(jornalista)


Share This Post On
468x60.jpg