Volta ao Alentejo em Bicicleta: Da morte anunciada, à ressurreição desejada.
Mar24

Volta ao Alentejo em Bicicleta: Da morte anunciada, à ressurreição desejada.

Em 25 de janeiro de 2010, a Associação de Municípios do Distrito de Évora (AMDE) anunciava a suspensão da “Alentejana”, era a”morte anunciada”. Era uma decisão esperada. Aos grandes custos, “respondiam” fracas receitas publicitárias e as curtas comparticipações das autarquias, sendo que o grande “esforço financeiro” era feito pela AMDE, a entidade organizadora da Volta ao Alentejo. A 27ª edição da “Alentejana” teve um custo de 323.792,55 euros e de receitas 114.500,00 euros, o que se cifrou num saldo negativo de 209.292,55 euros que saíram dos cofres associativos. As alterações políticas resultantes das autárquicas de 2009, deixavam perceber grandes mudanças e no dia 25 de janeiro, surge a notícia menos desejada: “Uma decisão política, assumida ontem à noite pela Associação de Municípios do Distrito de Évora (AMDE), entidade organizadora da Volta ao Alentejo em Bicicleta, está na origem da suspensão da corrida em 2010, a pouco mais de dois meses da 28ª edição ir para a estrada entre 7 e 11 de Abril”. Aquela que é por todos como “a maior iniciativa desportiva do Alentejo”, ia desaparecer. De todos os quadrantes surgiram palavras de pessoas ligadas à modalidade que consideraram ser “uma grande machadada na modalidade e na prova”, sustentando que a mesma “dificilmente regressaria” em 2011. Artur Lopes, então presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, disse ser “um duro golpe, onde houve “falta de vontade politica”. Joaquim Gomes, director técnico da PAD, agora Podium Events e vencedor da Volta ao Alentejo de 1988 defendeu que terminava “uma prova carismática”. Marco Chagas, comentador da RTP e vencedor da “Alentejana” em 1984, sustentava ser “um golpe muito duro” e considerava a prova como “a corrida de referência” no ciclismo português. Mas quando tudo parecia perdido e a “Alentejana” ia desaparecer, eis que Joaquim Gomes e a PAD, jogam a cartada decisiva. Aproveitando uma data vaga no calendário da empresa para uma prova internacional de quatro dias a realizar em Junho, com a anuência da AMDB e a colaboração de Alfredo Barroso e de Jorge Nunes e do Crédito Agrícola da Costa Azul, a Volta “renasceu” nas estradas do Alentejo. Há dois anos com o patrocínio da Liberty Seguros, a “Alentejana” volta a crescer de ano para ano e o regresso à categoria 2.1 pode ser uma realidade para os próximos anos e a tradição vai manter-se este ano: “um novo vencedor em 2015”. A 33ª Volta ao Alentejo/ Liberty Seguros foi apresentada no passado dia 19 de março, no Auditório da Biblioteca Municipal de Reguengos de Monsaraz, vai estar nas estradas da região, e vai para a estrada entre 25 e 29 de março, com cinco etapas, num total de...

Ler Mais
Liberty Seguros: Empresa fechou 2014 com 9,1 milhões de euros.
Mar24

Liberty Seguros: Empresa fechou 2014 com 9,1 milhões de euros.

A Liberty Seguros apresentou um resultado liquido de 9,1 milhões de euros, com o ramo de seguros de automóvel a representar 53% do negócio.

Ler Mais
Volta ao Alentejo/ Liberty Seguros: Joaquim Gomes apresenta a corrida
Mar13

Volta ao Alentejo/ Liberty Seguros: Joaquim Gomes apresenta a corrida

De 25 a 29 de março, a 33ª Volta ao Alentejo Liberty Seguros vai colorir as estradas e o coração dos alentejanos, numa organização conjunta entre a CIMAC-Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central e a Podium.

Ler Mais